Director - João Marques Teixeira

www.saude-mental.net


Acesso Reservado




Números Anteriores


ver lista completa >>

Índice

Pesquisa








Índice de Autores


Índice de Temas


Índice de Secções


Meta-análise e Psicopatia / Meta-analysis and Psychopathy

Volume X Nº2 Março/Abril 2008


  • imprimir (pdf)



  • tamanho da fonte


  • carrinho de compras


  • imprimir revista (pdf)




Revisões / Reviews

Volume X Nº2 Março/Abril 2008


Resumo / Abstract

Neste trabalho, as autoras procedem a uma revisão da Perturbação de Conversão, na sua estreita ligação com a Neurologia. Fazem referência a aspectos epidemiológicos, etiopatogénicos, clínicos e de tratamento. Dão particular atenção a aspectos psicopatológicos e do exame neurológico que podem ajudar os clínicos no diagnóstico diferencial.

Palavras-chave: Perturbação de Conversão, Histeria, Neurologia

In this article the authors revise Conversion Disorder in straight relation with Neurology. In this process, they refer to the epidemiological, ethiopatogenic, clinical and therapeutical aspects.
A full physical examination with attention to the mental status and neurological examination should be performed and can help to the differential diagnosis.

Key-words: Conversion Disorders, Hysteria, Neurology



Isabel Saavedra

Interna Complementar de Psiquiatria, Hospital de Magalhães Lemos


Correspondência relacionada com o artigo:
E-mail: isabel.saavedra@sapo.pt
Telm.: 962359601


Rosa Santos Silva

Interna Complementar de Neurologia, Hospital Pedro Hispano


Correspondência relacionada com o artigo:
E-mail: santossilva.rosa@gmail.com


Manuela Costa

Assistente Hospitalar Graduada de Neurologia, Hospital Pedro Hispano


Correspondência relacionada com o artigo:
E-mail: manuelapcosta@portugalmail.pt


Introdução



Quando se estuda este tema verifica-se uma multiplicidade de conceitos: histeria, conversão, somatoforme. Seguindo uma evolução conceptual, encontramos o termo histeria, derivado da palavra hysterus (útero), já descrito no antigo papiro de Kahun de 2000 AC (explicava a histeria pelos movimentos uterinos que comprimiam outros órgãos) e posteriormente por Hipócrates. Este tentava diferenciar as diversas formas clínicas da patologia pelas diferentes posições ocupadas pelo útero. Durante a Idade Média prevaleceram as interpretações em consonância com ideias sobrenaturais e mágicas.

33