Director - João Marques Teixeira

www.saude-mental.net


Acesso Reservado




Números Anteriores


ver lista completa >>

Índice

Pesquisa








Índice de Autores


Índice de Temas


Índice de Secções


Esquizofrenia - Reabilitação / Schizofrenia - Rehabilitaion

Volume IX Nº3 Maio/Junho 2007


  • imprimir (pdf)



  • tamanho da fonte


  • imprimir revista (pdf)




Volume IX Nº3 Maio/Junho 2007

Resumo de Posters / Posters' Abstract


A Componente Pragmática da Linguagem de Pessoas com Esquizofrenia

Pragmatic Use of Language of Schizophrenic Patients

Rocha, J., Coimbra, R. & Silva, C.


Introdução: Os estados psicopatológicos são frequentemente acompanhados de perturbações linguísticas. A esquizofrenia não é diferente neste aspecto, sendo que as perturbações da linguagem parecem revestir-se de particular importância, quer pelas suas características idiossincráticas, quer pelo seu significado clínico, podendo contribuir de forma única e significativa para a identificação, caracterização e compreensão desta entidade (Covington et al., 2005; Frow, 2001, Kuperberg & Caplan, 2003; Walder et al., 2006).
Objectivos: Descrever as alterações de linguagem presentes na Esquizofrenia, incidindo particularmente na componente pragmática, e relacionar estas alterações com o funcionamento psicossocial.
Método: A amostra foi constituída por 15 participantes com esquizofrenia. Todos foram sujeitos a um período de observação, a partir do qual se procedeu ao preenchimento do instrumento Protocolo de Pragmática de Prutting eKirshner (1987).


Recorreu-se ainda ao programa informático Transcriber para transcrever, segmentar e etiquetar o discurso oral, de forma a exemplificar alguns parâmetros do Protocolo. Para a avaliação do funcionamento psicossocial dos participantes com esquizofrenia foi utilizada a Global Assessment of Functioning. Os dados foram tratados recorrendo-se a estatísticas descritivas e a análises de correlação de tipo Spearman.
Resultados e Conclusões: Encontrou-se uma frequência elevada de comportamentos inapropriados em toda a componente pragmática, com maior atingimento dos aspectos verbais e não-verbais. Foram precisamente estes aspectos que se revelaram fortemente correlacionados com o funcionamento psicossocial. Estes resultados apontam para a presença de alterações no uso da linguagem, que parecem assumir contornos marcantes na vida das pessoas com esquizofrenia, devendo, por conseguinte, ser tidos em consideração na delineação de programas de reabilitação psiquiátrica.
Palavras-chave: Esquizofrenia; Linguagem; Pragmática; Funcionamento Psicossocial
Referências
Covington, M., He, C., Brown, C., Naçi, L., McClain, J., Fjordbak, B., et al. (2005). Schizophrenia and the Structure of Language: The Linguistic’s View.

Schizophrenia Research, 77, 85-98.
Frow, J. (2001). Metaphor and Metacommunication in Schizophrenic Language. Social Semiotics, 11(3), 275-287.
Kuperberg, G., & Caplan, D. (2003). Language Dysfunction in Schizophrenia. In R. B. Shiffer, S. M. Ron & B. S. Fogel (Eds.), Neuropsychiatry (2nd ed., pp. 444-466). Philadelphia: Lippincott Williams and Wilkins.
Prutting, C., Kirchner, D. (1987). A Clinical Appraisal of the Pragmatic Aspects of Language. Journal of Hearing Disorders, 52, 105-119
Walder, D., Seidman, L., Cullen, N., Su, J., Tsuang, M., & Goldstein, J. (2006). Sex Differences in Language Dysfunction in Schizophrenia. American Journal of Psychiatry, 163, 470-477.

Contribuição relativa da Esquizofrenia nos Internamentos e Re-internamentos no Serviço de Psiquiatria de Matosinhos (Hospital de Magalhães Lemos)

The Burden of Schizophrenian in the Hospitalizations and Re-hospitalizations at Matosinhos Psychiatry Service (Hospital de Magalhães Lemos)

Castro, L., Pais, V., Pereira, H. & Pereira, J.

38