Director - João Marques Teixeira

www.saude-mental.net


Acesso Reservado




Números Anteriores


ver lista completa >>

Índice

Pesquisa








Índice de Autores


Índice de Temas


Índice de Secções


Psicodermatologia / Psychodermatology

Volume XIII Nº2 Março/Abril 2011


  • imprimir (pdf)



  • tamanho da fonte


  • carrinho de compras


  • imprimir revista (pdf)





Volume XIII Nº2 Março/Abril 2011

Revisões / Reviews



Resumo/Abstract

Apesar dos avanços científicos e tecnológicos, 90% da população mundial está envolvida em alguma forma de prática espiritual ou religiosa. Até aos finais do século XIX, religião e cuidados de saúde mental estiveram alinhados, altura em que Jean Charcot e o seu pupilo Sigmund Freud começaram a associar religião com histeria e neurose, criando uma profunda divisão, que se manteve no século seguinte. Contudo, nas últimas décadas, a atitude da Psiquiatria para com a religião tem vindo a mudar, tal como preconiza a Organização Mundial de Saúde (OMS), segundo a qual a espiritualidade pode dar um contributo significativo na promoção da saúde mental. No entanto, este ainda não é um tema pacífico, havendo autores que defendem que as crenças e práticas religiosas podem ser recursos importantes de coping, enquanto outros acreditam que possam contribuir, em alguns casos, para a patologia mental, pelo que propomos uma reflexão teórica e crítica acerca desta questão.
Palavras-chave: Espiritualidade, Religião, Saúde Mental, Psiquiatria.

Despite recent scientific and technological advances, 90% of the world’s population is involved in some sort of spiritual or religious practice. Until the end of the 19th century, religion and mental health care were deeply associated. Jean Charcot and Sigmund Freud began to associate religion with hysteria and neurosis and introduced a profound division in this matter which was maintained over the following century. However, over the last few decades, the attitude of Psychiatry towards religion has begun to change in accordance with the World Health Organisation (WHO), which regards spirituality as a significant contribution in promoting mental health. Some authors support that religious beliefs and practices can be important resources in coping skills while others believe that they might contribute, in some cases, to psychopathology. The authors propose to further explore this theme, in a critical review of existing literature.
Key-words: Spirituality, Religion, Mental Health, Psychiatry.



João Campos Mendes

Interno Complementar de Psiquiatria
Serviço de Psiquiatria e Saúde Mental do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia / Espinho E.P.E.



Joana Prata

Assistente Hospitalar
Serviço de Psiquiatria e Saúde Mental do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia / Espinho E.P.E.

Correspondência:
Serviço de Psiquiatria e Saúde Mental do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia / Espinho E.P.E.
Unidade 1 - Monte da Virgem
Rua Conceição Fernandes
4434-502 Vila Nova de Gaia
E-mail: joao.camposmendes@gmail.com

Sem conflito de interesses



Introdução



Existem evidências de que a religião desempenha um papel na vida humana e, particularmente na saúde, desde o período paleolítico, concretamente na China, onde tinham lugar rituais de tratamento com crânios humanos. [1] Embora alguns autores tivessem previsto que a religiosidade tendia a desaparecer ou diminuir, drasticamente, durante o século XX, [2,3] tal não se verificou e na actualidade, apesar dos grandes avanços

31