Director - João Marques Teixeira

www.saude-mental.net


Acesso Reservado




Números Anteriores


ver lista completa >>

Índice

Pesquisa








Índice de Autores


Índice de Temas


Índice de Secções


Psicodermatologia / Psychodermatology

Volume XIII Nº2 Março/Abril 2011


  • imprimir (pdf)



  • tamanho da fonte


  • carrinho de compras


  • imprimir revista (pdf)




Casos Clínicos / Clinical Cases

Volume XIII Nº2 Março/Abril 2011


Resumo/Abstract

O suicídio adolescente é um grave problema social. As taxas de suicídio nos países Europeus e Ocidentais têm aumentado e são preocupantes. Este trabalho considera que o estudo do suicídio deve ser global e multidisciplinar e que, para melhor compreender o comportamento suicidário, devem ser também estudadas as tentativas de suicídio, para-suicídio e comportamentos de risco, como as auto-mutilações. A adolescência é uma etapa complexa, que envolve a formação da personalidade e de uma identidade sexual fixa. As relações com a família mudam e o grupo de companheiros ganha importância. Pela sua frequência e forte correlação com o suicídio, a depressão na adolescência deve também ser encarada como um problema sério. Este trabalho enfatiza o diagnóstico e tratamento precoces como forma de reduzir a morbilidade e mortalidade entre os adolescentes que pensam suicidar-se. Somente utilizando uma abordagem sistémica, em que os sistemas familiar e de pares são devidamente incorporados, pode avaliar-se cada caso, e melhorar significativamente a qualidade de vida dos adolescentes, prevenindo a adopção de comportamentos de risco e a ocorrência de suicídio.

Palavras-chave: suicídio, para-suicídio, adolescência, depressão, intervenção, prevenção.



Gonçalo Figueiredo Augusto

Mestre Integrado em Medicina


Daniel Sampaio

Professor Catedrático de Psiquiatria e Saúde Mental
Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa

Correspondência:
Hospital de Santa Maria
Avenida Professor Egas Moniz
1649-028 Lisboa, Portugal
E-mail: figueiredo.augusto@gmail.com



Introdução


O estudo do suicídio tem ganho cada vez mais relevância na literatura científica, indo de encontro à preocupação crescente que este comportamento tem gerado. Sendo um tema delicado e complexo, a abordagem do acto suicidário deve ser multidisciplinar e não deve esquecer as dimensões familiar e social do indivíduo: se por um lado o suicídio pode ser visto com um acto individual, também é preciso ter presente que as suas repercussões se fazem sentir nos contextos familiar e social, provocando medo, angústia e ansiedade [1]. É importante não esquecer que o suicídio nunca foi socialmente bem aceite no mundo ocidental e mesmo noutras sociedades. Existem visões diferentes face ao suicídio nas várias culturas e religiões, e essas visões sofreram alterações ao longo do tempo.
No mundo ocidental, o suicídio sempre foi encarado como problemático e os filósofos passaram a usá-lo como ponto de partida para uma reflexão sobre a existência humana [2]. Visto a vida ser considerada sagrada por ser uma dádiva divina, o comportamento suicidário era olhado como uma

* Este artigo foi elaborado a partir do trabalho final do curso de Mestrado Integrado em Medicina, apresentado em Junho de 2011 na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa e orientado pelo Professor Doutor Daniel Sampaio.

18