Director - João Marques Teixeira

www.saude-mental.net


Acesso Reservado




Números Anteriores


ver lista completa >>

Índice

Pesquisa








Índice de Autores


Índice de Temas


Índice de Secções


Delírio de Infestação / Infestation Delusion

Volume XII Nº2 Março/Abril 2010


  • imprimir (pdf)



  • tamanho da fonte


  • imprimir revista (pdf)




Leituras / Readings

Volume XII Nº2 Março/Abril 2010


Resumo/Abstract

Neste trabalho analisamos o problema do consumo excessivo na sociedade actual numa perspectiva psicopatológica e psicodinâmica. Começamos por fazer uma referência às recentes alterações sociais e de que forma podem, de certo modo, influenciar a ocorrência neste fenómeno. Abordamos brevemente, do ponto de vista nosológico, a perturbação de compulsive buying ou excessive buying, e depois tentamos dar um entendimento para o significado deste sintoma, tocando nas noções de necessidade, vicariãncia e sobre-compensação. Olhamos depois para o sintoma em diferentes estruturas mentais, com a depressiva, borderline ou histriónica e tocamos ainda na questão da identidade e busca do self-ideal.

Palavras-chave:


We examined the problem of excessive buying in today society in psychopathological and psychodynamic perspectives. We begin by making a reference to recent social changes and how they can somehow influence the occurrence of this phenomenon. We address briefly, in a nosological point of view, compulsive buying disorder or excessive buying, disorder and then we try to give an understanding of this symptom meaning, developing the notion of need, vicariance and over-compensation. Then we look for the symptom in different mental structures, depressive, borderline and histrionic, and we finalize touching on the issue of identity and pursuit of ideal self.

Key-words: buying, compulsive buying, narcissism, need, vicariance, over-compensation object relations, social psychopathology



Rui C. Campos

Psicólogo Clínico. Professor Auxiliar, Departamento de Psicologia, Universidade de Évora

Correspondência

Rui C. Campos, Departamento de Psicologia, Universidade de Évora, Apartado 94, 7002-554 Évora, FAX: 266 768 073
e-mail: rcampos@uevora.pt

1 O texto foi anteriormente apresentado sob a forma de uma conferência, Universidade de Évora, 6 de Maio de 2010. Agradecemos ao Prof. Coimbra de Matos a leitura e comentário prévio ao texto referente a este artigo.









Assistimos nas últimas décadas a profundas alterações a nível cultural, económico e social. As sociedades ocidentais tornaram-se espaços de consumo, em que os bens materiais e a sua posse passaram a desempenhar um papel e a ter uma função e um significado importantes. Pode mesmo dizer-se que vivemos num espaço social do “ter para ser” e não tanto do “ser para ter”. Em que vale mais as coisas que se conseguem, e menos, a forma como se conseguem essas mesmas coisas. Em que as pessoas, como diz o filósofo José Gil, vivem de pequenos prazeres, mas não de um desejo comum. Uma sociedade da informação e do seu excesso, e portanto da

50