Director - João Marques Teixeira

www.saude-mental.net


Acesso Reservado




Números Anteriores


ver lista completa >>

Índice

Pesquisa








Índice de Autores


Índice de Temas


Índice de Secções


Síndrome de Charles Bonnet / Charles Bonnet Syndrome

Volume XI Nº4 Julho/Agosto 2009


  • imprimir (pdf)



  • tamanho da fonte


  • imprimir revista (pdf)




Escolhas do Director / Editor's Choices

Volume XI Nº4 Julho/Agosto 2009



Psicopatologia

Psicopathology


Síndrome metabólico e depressão

Metabolic Syndrome and Depression



Apesar de a depressão ter vindo a ser associada à obesidade, existem poucos estudos prospectivos que tenham analisado os factores de risco para o síndrome metabólico em relação ao humor.
O estudo que aqui apresentamos é um estudo epidemiológico finlandês no qual os autores estudaram 448 indivíduos que não apresentavam síndrome metabólico em 1998 e que completaram uma avaliação de seguimento em 2004-2005 (idades no início - 36-56). A presença do síndrome metabólico foi determinada pelo perímetro abdominal, níveis de glicose, de lipídeos e pela tensão arterial. Foram identificados, na linha basal, um conjunto de sintomas depressivos auto-reportados e classificados numa escala padronizada em 16% das mulheres e em 8% dos homens. No fim do estudo, os 22% de mulheres inicialmente não deprimidas e 24% das mulheres inicialmente deprimidas desenvolveram um síndrome metabólico, comparativamente com 25% dos homens inicialmente não deprimidos e 12% deprimidos. Após controlo para a idade, escolaridade, actividade física, hábitos tabágicos, estado civil e consumo de álcool, antidepressivos e tratamento de substituição hormonal, o risco do síndrome metabólico era 2,5 vezes maior nas mulheres deprimidas do que nas mu-



lheres não deprimidas. O risco era particularmente alto nas mulheres na idade peri e pós-menopausica.
Estes dados confirmam os dados de outros estudos e os mecanismos envolvidos na emergência do síndrome metabólico podem incluir processos inflamatórios mediados pelas citoquinas, desregulação do eixo hipotálamo-hipófise-supre-renal com excesso de cortisol e níveis de lipoproteínas de alta densidade na depressão. A questão sobre o papel dos sintomas depressivos relativamente ao risco de síndrome metabólico nas mulheres que tomam antipsicóticos de 2ª geração e outras medicações psicotrópicas com potencial aumento de peso ainda não está esclarecida e deve ser melhor estudada.

Vanhala M et al. (2009), Acta Psychiatr Scand ,V119





Diabetes, depressão e gravidez

Diabetes, Depression, and Pregnancy



Os investigadores deste estudo fizeram uma análise retrospectiva da relação entre a depressão e a diabetes em mulheres grávidas que estavam inscritas no Medicaid pelo menos 6 meses antes e 12 meses depois do parto. Mais de 11000 mulheres (idade média, 27 anos) foram avaliadas para a depressão e para a diabetes com base nos diagnósticos codificados ou na prescrição de medicação relevante. O risco para a depressão perinatal nas mulheres que tinham diabetes antes ou


durante a gravidez era de 15%, comparado com 8% nas mulheres que não tinham diabetes. Quando os autores procederam a análises ajustadas para a idade, idade gestacional no parto e cesariana, o risco da depressão perinatal era 80% superior nas doentes que tiveram diabetes, comparativamente com as que não tinham tido diabetes. Nas mulheres diabéticas mas sem evidência de depressão prénatal, o risco de depressão pós-parto era 69% maior do que nas mulheres sem diabetes ou depressão pré-natal.
Apesar das limitações metodológicas deste estudo (nomeadamente o controlo de todas as variáveis parasitas), a associação entre diabetes e depressão é consistente com os dados da população geral e dá-nos um marcador para nos ajudar a monitorizar a depressão prénatal e pós-parto em subgrupos de mulheres grávidas.

Kozhimannil KB et al. (2009), JAMA V301





Subtipos genéticos major da demência frontotemporal

Major Genetic Subtypes of Frontotemporal Dementia



Para explorar a genética da demência frontotemporal (DFT), os autores deste estudo avaliaram uma grande amostra de doentes diagnosticados com perturbações do espectro da DFT. De entre os 364 doentes avaliados, os maiores subgrupos da DFT eram: em 246 doentes a DFT variante comportamental, em 56 doentes a demência semântica, em 25 doentes a DFT com doença dos neurónios motores e em 7 doentes a

60